MEAC  realiza a I Jornada Internacional de Ginecologia Minimamente Invasiva

O objetivo é integrar especialistas do Brasil e exterior com aulas expositivas e cirurgias ao vivo

Realizada em conjunto com a Universidade Federal do Ceará (UFC) e com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), a 1ª Jornada Internacional de Ginecologia Minimamente Invasiva da Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Meac) foi aberta oficialmente nesta sexta-feira, 6. Desde o dia 5, profissionais e estudantes participam de palestras, cursos e videoconferências onde são apresentados os avanços tecnológicos em processos e equipamentos para as cirurgias videolaparoscópicas. A jornada segue até o dia 7, quando serão realizadas cinco cirurgias transmitidas em tempo real para todos os participantes.

O objetivo é integrar especialistas do Brasil e exterior com aulas expositivas e cirurgias ao vivo para a plateia, entre outras atividades. “Estamos trazendo algumas das maiores referências mundiais neste procedimento. É uma oportunidade ímpar para os profissionais atualizarem seus conhecimentos e técnicas”, explica o ginecologista da Meac, Leonardo Bezerra.

Convidado para ministrar o curso prático de sutura laparoscópica, o médico italiano Armando Romeo se disse surpreso positivamente com o nível dos participantes e com o atendimento oferecido na Meac. “Saber que as técnicas mais modernas do mundo no tratamento de endometriose estão acessíveis a toda a população do Ceará pelo SUS dá esperança, dá força às mulheres que têm essa condição de dor, independentemente da classe social”, disse.

A Meac foi a primeira instituição a oferecer no Ceará o atendimento multidisciplinar gratuito a mulheres com endometriose. Somente de janeiro a agosto deste ano foram realizadas 620 cirurgias ginecológicas minimamente invasivas. Uma das pacientes que teve sua vida transformada com essa assistência foi a vendedora Vanessa Rocha. Há dois anos, ter a filha Isys nos braços era um sonho improvável. Ela sofria com dores provocadas pela endometriose, um problema que afeta cerca de 15% das mulheres no mundo com idade entre 15 e 45 anos e é apontado como causador de 50% dos casos de infertilidade feminina. Após uma cirurgia minimamente invasiva na Meac, em 2015, Vanessa conseguiu engravidar e se sente realizada. “Minha família está completa, é a maior bênção da minha vida”, declara.

Programação

O evento teve no seu primeiro dia um curso prático (hands-on) de técnicas de sutura laparoscópica. Foram oferecidas um total de 30 vagas e cada participante recebeu um aparelho de treinamento individual (home-training) para continuar o treinamento em casa.

No dia 6, as exposições foram teóricas e dialogadas com a plateia e moderadas por mesa de especialistas sobre temas relativos à laparoscopia, endometriose, uroginecologia e disfunção do assoalho pélvico. Também houve exposição de vídeos didáticos, editados, de técnicas cirúrgicas minimamente invasivas.

No último dia, o destaque é para as cirurgias que serão realizadas na Meac, com transmissão simultânea para a plateia no auditório do hotel. Serão, ao todo, cinco procedimentos realizados: Endometriose Intestinal; Colpo-Promontofixação Laparoscópica; Endometrioma Ovariano; Prótese Vaginal para Prolapso; e Histerectomia Laparoscópica.

Unidade de Comunicação Social

Maternidade Escola Assis Chateaubriand

Complexo Hospitalar UFC

Empresa Brasileira de serviços Hospitalares

Danielle Campos | Marina Nunes | Nyara Cavalcante

(85) 3366.8577 | 98720.3318 | 99257.1907 | 98750.1834