Negócio próprio: o caminho certo para não cair no vale da frustração


Pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor afirma que 61,8% dos brasileiros empreenderam por oportunidade e 37,5% por necessidade

Em dados gerais, cerca de 70% da população brasileira sonha em empreender e esse número só tende a crescer. No Brasil, uma pesquisa feita pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM), em parceria com o Sebrae, aponta que, em 2018, foi registrada uma taxa de 38% de empreendedorismo, ou seja, cerca de 52 milhões de pessoas estavam ligadas a uma atividade empreendedora. Esse é o segundo maio índice desde que a pesquisa começou a ser realizada, em 2002. A maior taxa é de 2015, com 39,3%.

Os números parecem animadores, mas engana-se quem pensa que o caminho do empreendedorismo é fácil. Cada vez mais, diversos profissionais encontram nele uma oportunidade de mercado. Para obter sucesso, é preciso passar por algumas etapas simples, mas que fazem toda a diferença. 

“Empreender é transformar sonho em realidade, porém deve-se estar disposto a encarar desafios, o primeiro deles é identificar o melhor cenário, encontrar um negócio em que o futuro empresário tenha afinidade e paixão”, afirma o Consultor Empresarial, Jean Araujo. 

O profissional aponta ainda outros passos para quem desejar alcançar o sucesso profissional no próprio negócio. “Muitas pessoas acreditam que empreender é abrir uma empresa, mas não é só isso. O profissional que quer empreender deve apresentar um diferencial, sair da zona de conforto. Empreender está diretamente ligado a uma postura, como a de encarar os desafios como oportunidades”, completa.  

Ainda de acordo com a GEM, também em 2018, 61,8% dos brasileiros empreenderam por oportunidade e 37,5%, por necessidade, por estarem fora do mercado de trabalho. “Posso apostar que a maioria destas pessoas que alcançaram seus objetivos, ou estão alcançando, entendem que empreender é mais que o desejo de ter liberdade financeira e que ser bem sucedido é consequência. Eles seguem uma rotina contínua de estudos, para ter embasamento e saber usar dados a seu favor. Este é o grande diferencial de um empreendedor de sucesso”, continua.

Perfil

Os jovens estão cada vez mais amadurecendo essa ideia de “ser o próprio chefe”. Uma pesquisa feita pela Confederação Nacional de Jovens Empresários (CONAJE) com cerca de 5 mil jovens empresários, de 18 a 39 anos, foi constatado que microempreendedores são a maioria no país e 15,6% desses 5 mil jovens estão no Nordeste.

Para a psicóloga, Rachel Sales, o apoio emocional para o empreendedor é um fator essencial para o possível sucesso do negócio, principalmente para os jovens, que têm garra e força de vontade, mas que podem trazer consigo o receio de errar e o medo da frustração. “É comum ver perfis assim, as emoções estão à flor da pele enquanto se é jovem, para todos os âmbitos, principalmente no setor profissional, onde há pressão de todos os lados e a responsabilidade de pagar as contas. Além de todo o conhecimento adquirido, o jovem sente a necessidade de confiar em alguém para ter como apoio na criação e sustentação do futuro negócio”, completa.

Personagem

Bruna Santiago é um exemplo de jovem empreendedor de sucesso. Ao lado da mãe, com apenas 22 anos, ela é proprietária de três lojas de roupa. Juntas, elas fabricam e comercializam as peças. Um negócio que começou quando Bruna ainda estava na escola. 

“Eu sempre tive esse encanto por vendas. Ainda criança, eu colocava comidinhas para vender na porta de casa, ligava um som em casa e cobrava 25 centavos para as amigas entrarem, fingindo ser uma festa”, lembra Bruna. 

A parceria com a mãe começou muito cedo. Acadia Santos sempre trabalhou com costuras e foi aos poucos, parcelando, que ela comprou as máquinas. Bruna Santiago conta ainda que sugeriu para a mãe a ideia de vender roupas. “No começo não deu muito certo, nós não compramos o tecido ideal para fazer t-shirts. Na lavagem, elas mancharam e nós perdemos o dinheiro que tínhamos, mas não desistimos, seguimos em frente e, hoje, eu posso dizer que realizei o sonho da minha mãe de ter uma casa linda, com piscina. E eu estou realizando os meus, comprando o que eu quero, viajando. Eu cheguei onde estou com muita persistência e estudos”, completa.