2º ANIMA CEARÁ segue até domingo (08) com exibições de curtas-metragens, atividades formativas e premiação

O vencedor na categoria de Melhor Curta-metragem receberá o Troféu Anima Ceará, uma criação do artista plástico Dim Brinquedim, e prêmio no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais)

Neste fim de semana tem filmes de animação, workshop e bate-papos sobre o universo de cinema de animação, game e web no 2º Anima Ceará – Festival Nordestino de Cinema de Animação, Game e Web, que segue até domingo, dia 08. A programação, que teve início na quinta-feira dia 05 de novembro, é toda virtual e gratuita, através do canal do YouTube oficial do evento, do Cineteatro São Luiz e do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

Nesta sexta-feira (06) e sábado (07), das 9h às 19h, continuam as exibições de filmes da Mostra Competitiva Brasileira de Curta-Metragem de Animação. À noite, das 20h às 21h, realizadores dos filmes e críticos de cinema participam dos debates sobre o os curtas-metragens exibidos na sessão do dia, mediados por Vinícius Bozzo (CE).

Na sexta-feira, serão exibidos os curtas “Walter Tournier”, de Sávio Leite (Belo Horizonte/MG); “‍Sangro”, de Tiago Minamisawa, Bruno H Castro e codireção de Guto BR (Campinas/SP); “O Homem das Gavetas”, de Duda Rodrigues (São Paulo/SP); “‍Barbas de Molho”, de Eduardo Padrão e Leanndro Amorim (Recife/PE); e “‍Almofada de Penas”, de Joseph Specker Nys (Florianópolis/SC).

No sábado, serão exibidos mais oito dos 22 filmes participantes da Mostra Competitiva. São eles, “Na Trilha das Borboletas Azuis”, de Vini Wolf (São Paulo/SP), “‍Mitologia Nordestina”, de Alisson Pereira Flor (Juazeiro do Norte/CE); “‍Corações Encouraçados”, de Jamile Coelho (Salvador/BA); “‍Histórias Migratórias”, de Camila Santos e Claudia Erika Mamani (São Paulo/SP); “‍Quando a Chuva Vem?”, de Jefferson Batista (Carpina/PE); “Estou Mais Velha Longe de Casa”, de Janaína Lacerda (Crato/CE); “‍Jacob Collier – He Won’t Hold You (feat. Rapsody)”, de Daniel Bruson (Sorocaba/SP); e “‍Apneia”, de Carol Sakura e Walkir Fernandes (Curitiba/PR).

ATIVIDADES FORMATIVAS

Além das sessões de curtas-metragens, haverá atividades formativas, das 15h às 16h30, de sexta-feira (06) até domingo (08). Nesta sexta-feira (06), os cearenses Bruno Brasil e Levi Magalhães participam do bate-Papo “Animação Cearense – Conhecendo a produção e os artistas do Ceará”. Bruno Brasil é diretor e animador 2D freelancer. Ao longo de sua trajetória desenvolveu trabalhos para vários estúdios ao redor do mundo como, Tendril, Le Cube, State, Volstok, Los York, Giant Ant, Two Fresh, Make visual, Laundry, dentre outros. Levi Magalhães é diretor e animador cinematográfico. Ele possui filmes autorais premiados, como “Vida” (2013), selecionado para o Anima Mundi e Puchon International Student Animation (PISAF), Festival na Coreia do Sul, e já desenvolveu obras seriadas na Tusche Produções e storyboard na Split Studio. Atualmente, Levi é professor do curso de extensão em animação do Núcleo de Cinema de Animação da UFC.

No sábado (07), tem o bate-papo “Produzindo conteúdo audiovisual para diversas plataformas: Adaptando um livro para filme e jogo”, com Cláudio Martins e Eduardo Peixoto, ambos do Ceará. Cláudio Martins é diretor, roteirista, cineasta de animação, autor e professor. E o designer gráfico Eduardo Peixoto atuou nas áreas de edição de vídeos e animação nas modalidades Motion Graphics e 2D. Eles trabalharam juntos no “Sebastiana”, um curta-metragem de animação adaptado do livro “Ela tem Olhos de Céu”, de Socorro Acioli, que teve Cláudio Martins como diretor e roteirista e Eduardo Peixoto como diretor técnico e produtor, dentre outras funções.

E no domingo (08), encerrando as atividades, o ator, dublador, cientista computacional e produtor de filmes de animação Fred Honorato Reis (DF) falará sobre “Narrativa em games”. Fred é co-fundador da produtora audiovisual Gravidade Zero, criada em 2010, fundador do startup “FR3D Film & Realtime” com foco na criação de conteúdo utilizando game engines e animação em tempo real.

A solenidade de encerramento do 2º Anima Ceará acontece às 20h, com a divulgação dos vencedores da Mostra Competitiva. O vencedor na categoria de Melhor Curta-metragem receberá o Troféu Anima Ceará, uma criação do artista plástico Dim Brinquedim, e prêmio no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais). Também recebem o troféu os vencedores nas categorias de Melhor Roteiro, Melhor Trilha Sonora e Melhor Filme Infantil.

O FESTIVAL

Com sua primeira edição realizada em 2018, o Anima Ceará foi criado como uma consequência natural da tradição do Estado na produção do cinema de animação, em especial, no Núcleo de Cinema de Animação, da Casa Amarela Eusélio Oliveira, da Universidade Federal do Ceará, que foi criado em 1993, responsável pela formação de várias gerações de animadores cearenses.

O 2º Anima Ceará – Festival Nordestino de Cinema de Animação, Game e Web é uma realização da Aguaboa Cultural e da Irê Brasil. Tem o patrocínio exclusivo da Oi, através do Mecenato Estadual do Ceará, apoio cultural do Oi Futuro e o apoio institucional do Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria da Cultura

SERVIÇO

2º Anima Ceará – Festival Nordestino de Cinema de Animação, Game e Web – Até 8 de novembro (Domingo), no canal do YouTube do Anima Ceará, do Cineteatro São Luiz e do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Site: www.animafestival.com.br. Redes sociais: @festivalanimaceara. Contatos: (85) 3055-3465. producaoanimace@gmail.com.

Canal do Anima Ceará:

https://www.youtube.com/channel/UCm6SG7M44mQUvQk6IeI1tlw

Canal do Cineteatro São Luiz:

https://www.youtube.com/channel/UCkhQMY-zUkOCIh9ttK-eN9A

Canal do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura:

https://www.youtube.com/channel/UCLmzqznbHNVYut6jLDQdG8g

SOBRE O OI FUTURO 

O Oi Futuro é o instituto de inovação e criatividade da empresa de telefonia Oi e atua como um laboratório para cocriação de projetos transformadores nas áreas de Educação, Cultura e Inovação Social. Por meio de iniciativas e parcerias em todo o Brasil, o instituto estimula o potencial dos indivíduos e das redes para a construção de um presente com mais inclusão e diversidade.

Na área de Educação, o Oi Futuro investe em novas formas de aprender e ensinar com o NAVE (Núcleo Avançado em Educação), programa que já formou mais de 2,5 mil jovens desde 2006. Criado pelo instituto em parceria com as Secretarias de Estado de Educação do Rio de Janeiro e de Pernambuco, o programa é desenvolvido em duas escolas públicas, uma no Rio e uma em Recife, na modalidade de Ensino Médio Integrado ao Profissional, com foco nas economias criativa e digital. As escolas funcionam como laboratórios de criação e experimentação de metodologias pedagógicas inovadoras, disseminadas por meio de cursos de formação oferecidos gratuitamente a educadores da rede pública, em áreas como Robótica e Midiaeducação. A iniciativa também produz conteúdos para educadores, entre eles a publicação digital “E-NAVE – Guia de Práticas Pedagógicas Inovadoras”, que teve sua segunda edição lançada em 2019.

No segmento da Cultura, o instituto mantém o Centro Cultural Oi Futuro, no Rio de Janeiro, com uma programação que valoriza a produção de vanguarda e a convergência entre arte contemporânea e tecnologia. A unidade abriga o MUSEHUM, antigo Museu das Telecomunicações, pioneiro no uso da interatividade no Brasil e dono de um acervo de mais de 130 mil itens que contam a história do setor no país.

Ainda na área de Cultura, o Instituto Oi Futuro, em 2019, apresentou a pesquisa inédita “Museus: narrativas para o Futuro”, que faz um raio-x da percepção dos brasileiros sobre museus. O estudo, realizado em parceria com a Consumoteca, aponta que metade dos entrevistados vai a museus a cada dois anos ou menos, considera os espaços sem novidades e elitizados. A pesquisa levantou ainda as dinâmicas comportamentais do público pelo Brasil com o intuito de mapear novos interesses nos ambientes culturais urbanos. Cerca de 600 pessoas foram ouvidas, de Norte a Sul, frequentadores e não frequentadores de museus, das classes A, B e C, além de especialistas em Museologia, Patrimônio, Educação e História.

Há 16 anos, o Oi Futuro gerencia o Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados, responsável por selecionar projetos em todas as regiões do país por meio de edital público. Desde 2003, foram mais de 2.500 projetos culturais apoiados pelo Oi Futuro, que beneficiaram milhões de espectadores. O instituto também criou e mantém o LabSonica, laboratório de experimentação sonora e musical, e o Oi Kabum! Lab, que promove a formação de jovens de periferia no campo da arte e tecnologia. Ambos localizados na mesma unidade do Rio de Janeiro, no Lab Oi Futuro.

Nascido numa confluência entre as áreas de Cultura e Inovação Social, o Lab Oi Futuro é um espaço de criação, experimentação e colaboração, idealizado para impulsionar criadores de diversas áreas e startups de impacto social de todo o Brasil, selecionados por editais públicos. Com mais de 500m², o laboratório abriga iniciativas como o LabSonica e oferece estrutura física e suporte técnico necessários para que seus participantes viabilizem seus projetos em um ambiente que estimula a produção colaborativa e a inovação.

Ainda na área de Inovação Social, o Oi Futuro criou o Labora, laboratório dedicado à conexão e ao fortalecimento de empreendedores, negócios e organizações comprometidos com o impacto social. Lançado em 2017, o Labora é um ambiente de aprendizagem, criação e articulação e oferece ciclos de aceleração para startups e organizações sociais selecionados por editais públicos, além de uma agenda contínua de workshops, cursos, seminários e palestras para o público em geral. Já foram 50 negócios e organizações acelerados, com cerca de 340 empreendedores impactados diretamente. O espaço também faz parte da estrutura do Lab Oi Futuro, no Rio de Janeiro.