Com espetáculos filmados em realidade virtual a Bienal Internacional de Dança do Ceará / De Par Em Par chega à 7ª edição

O evento acontece de 05 a 14 de março de 2021 com apresentações e atividades formativas com profissionais locais, nacionais e internacionais transmitidas pelo YouTube. Entre as ações formativas, o Seminário TEPe terá na abertura uma conversa entre a professora de Filosofia (Estética) Ana Godinho e o filósofo e pensador português José Gil com o tema “Pandemia e alterações climáticas”.

Reconhecida internacionalmente como um dos grandes eventos de dança realizados no Brasil, a Bienal Internacional de Dança do Ceará, que teve sua primeira edição há 24 anos, em outubro de 1997, realiza desde 2008 a Bienal De Par Em Par, um desdobramento da consolidada edição dos anos ímpares. A 7ª edição da Bienal De Par Em Par, que seria em outubro de 2020, acontecerá excepcionalmente de 05 a 14 de março de 2021, com programação 100% online. 

A Bienal fez da necessidade de adequação ao isolamento social, por conta da Covid-19, uma oportunidade de abrir suas janelas para ser acompanhada dentro e fora do Brasil pelo canal do evento no YouTube, e de agregar à sua programação uma série de importantes projetos ligados à dança deste e de outros países. Assinam a curadoria desta edição o diretor da Bienal de Dança, David Linhares, e a bailarina e gestora cultural Cláudia Pires.

REALIDADE VIRTUAL

Manter a dança próxima do público sem a sua presença na plateia, levou a Bienal a investir em tecnologia na estrutura de filmagem dos espetáculos. Seguindo os protocolos de biossegurança recomendados pelas autoridades sanitária, os trabalhos serão apresentados em Fortaleza no Theatro José de Alencar, no Porto Dragão e no Cena 15 – Centro de Narrativas Audiovisuais do Porto Iracema das Artes, equipamentos da Secretaria da Cultura do Ceará (Secult Ceará), com acesso restrito às companhias de dança e a equipe técnica, e transmitidos ao vivo no YouTube. O acesso aos equipamentos a todos os profissionais envolvidos só será permitido após realização do teste RT-PCR (swab), que será oferecido pela Bienal, e a confirmação de resultado negativo de Covid-19.

Será utilizada a câmera VR, que se constitui em um conjunto de câmeras que conseguem filmar o espetáculo a partir de várias lentes alinhadas. Essa tecnologia permite compor uma espécie de esfera ótica onde se filma um espaço em 360 graus. É como se o espectador assumisse o lugar da câmera, podendo com isso escolher para onde olhar.

O cineasta cearense Alexandre Veras é o diretor da transmissão ao vivo. “A utilização dessa tecnologia traz a dimensão dos múltiplos recortes da imagem, abrindo ao espectador a possibilidade de maior interação diante de um quadro que não está pré-definido. O espetáculo é gravado mantendo uma dimensão cênica e o espectador pode navegar, fruir, olhando para onde quer. Isso lhe restitui essa possibilidade que às vezes o olhar da câmera retira, quando enquadra e fixa em um ponto de vista. Isso colocou outras possibilidades em relação à fruição do espetáculo cênico mediado pela tecnologia, é como se o espectador estivesse fazendo várias leituras do espetáculo. Isso não é mais nem menos, é só diferente”, explica Veras. “Independentemente da tecnologia, o que a Bienal de Dança pretende trazer a partir da realidade virtual é a abertura de outros possíveis,de outros modos da dança ser”, continua.

Além da transmissão ao vivo, a tecnologia utilizada na filmagem vai gerar um arquivo de imagens que possibilitará manter a íntegra dos espetáculos filmados e a produção dos documentários das companhias, que incluem cenas de bastidores, making of e o processo de produção de cada espetáculo.

ESPETÁCULOS AO VIVO, SEMINÁRIO TEPe, REDES CONFLUENTES

A Bienal De Par Em Par, além de espetáculos ao vivo no YouTube, contará com o Seminário TEPe e uma série de eventos integrados, que juntos formam uma parte da programação chamada de “Redes Confluentes”. Estes dois eventos agrupam mais de 1000 artistas de 27 países, além do Brasil.

ESPETÁCULOS AO VIVO

De 05 a 14, às 17 horas, o público da Bienal poderá acompanhar ao vivo pelo canal do YouTube a transmissão de espetáculos direto do Theatro José de Alencar, do Porto Dragão e do Cena 15. Em cena, algumas das mais conceituadas companhias e artistas da dança do Estado. São eles: Paracuru Cia de Dança apresentando “Praia das Almas” e a nova criação “Inventário de Belezas“, coreografia de Fernando Bongiovanni; a Companhia da Arte Andanças, com direção de Andrea Bardawil, em “O tempo da paixão ou o desejo é um lago azul” e “Graça”; Cia Vatá – Companhia de Brincantes Valéria Pinheiro em “233A 720 KALOS”; Alysson Amancio Cia de Dança apresenta em “Cabra da Peste”; Rosa Primo em “Iracema”; Zé Viana Júnior em “CorpoCatimbó”; Clarice Lima em “Intérpretes em crise”; Cia Balé Baião em “Prelúdio para danças caboclas”; e da França, a Cie. R.A.M.a, de Fabrice Ramalingom em “My (petit) Pogo”.

Às 19h, mais uma rica sessão de espetáculos ao vivo. Em cena, a Cia Dita com os espetáculos “Fortaleza” e “Mulata”; Jorge Garcia Companhia de Dança em “Nihil Obstat”Teatro Máquina em um de seus trabalhos mais emblemáticos, “O Cantil”; Rosa Primo apresentando “Tudo passa sobre a terra”; Andreia Pires em “Fortaleza 2040”; Edmar Cândido em “Canil”; Wellington Gadelha em “Gente de lá”; e a bailarina, coreógrafa e performer Silvia Moura com o ator, dramaturgo e diretor teatral Ricardo Guilherme em “Se ela dança eu canto”.

SEMINÁRIO TEPe

Diálogo e cooperação entre pesquisadores brasileiros e portugueses

Coordenado por Daniel Tércio (Lisboa – Universidade de Lisboa / FMH – Faculdade de Motricidade Humana), Leonel Brum (UFC – Universidade Federal do Ceará / UFF – Universidade Federal Fluminense), Beatriz Cerbino (UFF – Universidade Federal Fluminense) e Paulo Caldas (UFC – Universidade Federal do Ceará),  o Seminário TEPe, acolhido pela Bienal, é um projeto de diálogo e cooperação entre dois grupos de pesquisadores brasileiros e portugueses que vem sendo trabalhado há três anos, propondo um debate em torno da dança, da paisagem urbanas e de inquietações. “São múltiplos os percursos e as derivas para ensaiar zonas de resistência e de denúncia. É certo que o caminho se faz caminhando, mas poderemos sempre interrogar-nos: como continuar dançando, como continuar fazendo arte, como continuar na cidade? Enfim: como continuar?”, questionam.

O Seminário acontecerá de 05 a 14, sempre às 15h. na abertura, uma conversa entre a professora de Filosofia (Estética) Ana Godinho e o filósofo e pensador português José Gil terá como tema “Pandemia e alterações climáticas”. José Gil tem diversos artigos e ensaios científicos em revistas e enciclopédias de todo o mundo, destacando-se nas suas preferências a reflexão sobre o corpo. Em 2005 a conceituada revista francesa Le Nouvel Observateur o integrou no grupo dos 25 grandes pensadores do mundo. A professora e filósofa Ana Godinho é investigadora integrada do Instituto de Filosofia da Nova (IFILNOVA, NOVA FCSH). Entre outros estudos, é autora de Linhas do Estilo: Estética e Ontologia em Gilles Deleuze (Relógio d’Água, 2007); com José Gil, Humor e Lógica dos Objectos em Duchamp (Relógio d’Água, 2011). Entre 2005 e 2009 foi Professora convidada no MA de Visual Arts/Intermédia, na Universidade de Évora, e no Mestrado em Estudos do espaço e do Habitar em Arquitectura, na Faculdade de Arquitectura, entre 2007 e 2008.

Nos outros dias o Seminário TEPe abordará “Banco de Abraços: Mulheres que ensaiam zonas de resistência”, “[In]submersas”, “Sensorial walk”, “Travessia”, “1997|2004 Dança em Lisboa”, “Pop-Up!”, “Infodemics”, “RESTO: no tempo, no silêncio, na escuta” e “Dançar como árvore”.

algo enorme CONFLUENTES

Adiversidade e as diferentes propostas artísticas que percebem a tela como lugar de encontro

Pensada inicialmente como uma mostra de videodança e cinedança para integrar a Bienal em 2021, a mostra Redes Confluentes tornou-se rapidamente uma rede de redes, ou seja, um evento que reúne em sua programação sete mostras, agregando artistas de todos os continentes. Coordenada por Leonel Brum, que divide a curadoria com Beatriz Cerbino, esta programação tem foco na diversidade e nas diferentes propostas artísticas que percebem a tela como lugar de encontro. A exibição será no canal da Bienal no YouTube, de 07 a 14 de março, a partir das 20h.

Integram as Redes Confluentes: Mostra do Centro Coreográfico do Rio de Janeiro (CCORJ), Mostra do Festival Internacional dança em foco (RJ), Mostra Solar / Casa Hoffmann (Curitiba/PR), Mostra Universitária Ibero-americana de Videodança: Midiadança/Cursos de Dança da UFC (CE), Mostra REDIV – Rede Ibero-americana de Videodança (diversos países), Mostra do Festival Internacional VideoDanzaBA (Buenos Aires/Argentina) e Mostra do Festival Internacional FiverTour (Espanha).

ATELIER DE FORMAÇÃO COM ARMANDO MENICACCI

Artistas audiovisuais, artistas digitais e de videodança, performers, atores, bailarinos, músicos e demais artistas do corpo vão participar do Atelier de Formação – Presença à Distância acerca da teleperformance e live streaming, que será conduzido pelo pesquisador e artista italiano Armando Menicacci de 22 de fevereiro a 05 de março, das 14h às 18h, de forma virtual.

Os artistas, selecionados por meio de processo seletivo, aprenderão a utilizar as mais recentes técnicas de captura, processamento e edição, em tempo real, de imagens e sons de performers, atores e músicos presentes no mesmo espaço e/ou outros artistas fisicamente distantes, mas igualmente presentes sob a forma de imagens veiculadas em redes sociais que enviam seu conteúdo do computador ou smartphone. Os participantes também vão ter conhecimento sobre como transmitir conteúdo misto (streaming) e como organizá-lo para realizar teleperformances.  

Durante o atelier os artistas vão desenvolver uma performance de telepresença e essa criação será apresentada no canal da bienal no YouTube no dia 08 de março, às 19 horas.

Pesquisador e artista, Armando Menicacci vive em Montreal onde é membro do grupo estratégico canadense Hexagram. Seu trabalho é desenvolvido sob a forma de produções plásticas, performances e editoriais sobre as relações entre as artes, corporeidade, tecnologias e psicologia, principalmente nas esferas da avaliação e da percepção das artes. Suas criações foram expostas na França, Itália, Espanha, República Tcheca e seus projetos expográficos são desenvolvidos na Europa, África, América do Norte e América do Sul.

HOMENAGEM

Nesta edição, a Bienal presta homenagem a Lourdes Macena, que fundou há 39 anos o Grupo Miraira, quando ingressou na Escola Técnica Federal do Ceará, atuando na disciplina de Educação Artística.

Lourdes nasceu em Barreira, cidade do Maciço de Baturité, lugar dos cajueirais, das apanhas de castanhas e cajus, dos cortes de palha de carnaúbas e dos banhos de riachos. Sua relação com a dança provém de sua conexão com um outro lugar que na década de 1970 chamava-se Congo, e era distrito de Limoeiro do Norte, onde conviveu com cata-ventos, tanques (espécie de piscina popular), esconde-esconde no Riacho Seco, e muita noção de sustentabilidade, ética, honra e respeito à terra, aos mais velhos, à vida.

Sua dança surgiu das relações nestes lugares, pois nas brincadeiras de Boi, de Maneiro Pau, dos Reisados está a alegria e criação espontânea que seu corpo entende. Sua gestualidade vem das palmas dos carnaubais, do movimento das águas do Rio Banabuiú e das muitas ondas do mar de Iracema desta Fortaleza. Seus giros, contra giros, vêm dos bilros das almofadas da sua avó. Toda a cena que cria para o palco ou para a praça busca revelar o povo valente, guerreiro, mestiço, cafuzo, negro, caboclo, miúdo, gigante e forte que renasce a cada dia sob o escudo de suas brincadeiras e sua fé.

QUEM FAZ

A VII Bienal de Dança / De Par Em Par é apresentada pelo Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult-CE), Lei Estadual Nº 13.811 – Mecenato Estadual. Agradecimento: Enel. Apoio: Lei Aldir Blanc (Governo do Estado do Ceará/ Secult-CE, Prefeitura Municipal de Fortaleza/Secultfor, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal), Consulado Geral da França para o Nordeste. Parceria: Quitanda Soluções Criativas. Apoio institucional: Theatro José de Alencar, Porto Dragão e Porto Iracema das Artes. Realização: Indústria da Dança e Proarte.

SERVIÇO

VII Bienal Internacional de Dança do Ceará / De Par Em Par – De 05 a 14 de março de 2021 no canal do evento no Youtube. Informações: bienal@bienaldedanca.com. Site: www.bienaldedanca.com. Toda a programação é gratuita.

PROGRAMAÇÃO

De 05 a 14 de março de 2021 no canal da Bienal de Dança no YouTube

De 05 a 14/03 – 15h

Seminário TEPe

De 05 a 14/03 – 17h

Espetáculos ao vivo

De 05 a 14/03 – 19h

Espetáculos ao vivo

De 07 a 14/03 – 20h

Rede de confluência