Insônia: o que é e como tratar?

Neuropsicóloga explica distúrbios que podem interferir na qualidade do sono e como recuperá-lo

De acordo com a Associação Brasileira do Sono, de cada três brasileiros, pelo menos um tem insônia. Esse distúrbio consiste na incapacidade de iniciar ou manter o sono regular, e pode ocorrer em diferentes graus, e por diversas causas.

Alguns dos principais fatores que estão ligados à insônia são: estresse, ansiedade, depressão, distúrbios de humor, hábitos inadequados, má alimentação, preocupações, entre outros. Quanto a gravidade, considera-se crônico quando os sintomas aparecem por três vezes na semana por mais de três meses.

A neuropsicóloga Liane Bastos ressalta que a insônia recorrente pode agravar ou ocasionar alguns problemas de saúde, por isso, é importante ficar atento a qualidade do sono. “Qualquer pessoa pode apresentar quadro de insônia. Se houver muita pressão externa, profissional, pessoal e social, como o atual quadro de isolamento social que estamos vivendo, é possível que o sono se desregule”, explica.

A profissional aponta alguns hábitos que podem ser adotados para ajudar no reequilíbrio do corpo e da mente a fim de minimizar os sintomas da insônia. “Investir na alimentação correta, praticar atividade física, meditar, procurar realizar atividades relaxantes, como tomar banho, escutar música e evitar o uso de aparelhos eletrônicos 2 horas antes do horário de dormir, são apenas alguns dos hábitos que ajudam a regular o sono.”

Liane destaca também que a insônia tem tratamento e que a abordagem psicossocial e a psicoterapia são as medidas mais eficazes com base em vários estudos científicos: “Adquirindo novos hábitos e procurando ajuda profissional, é possível controlar todos os sintomas e voltar a ter um sono reparador, algo tão essencial para a saúde.”