Mariene de Castro e Almério celebram indicação ao Grammy Latino 2020

O álbum “Acaso Casa”, de Mariene de Castro e Almério, foi indicado ao Grammy Latino 2020, na categoria Melhor Álbum de Música de Raízes em Língua Portuguesa. O disco é o resultado do encontro desses dois nordestinos que interpretam canções que remetem à memória afetiva de cada um, levando-os de volta às suas origens. É um verdadeiro encontro de músicas do interior nordestino repleto de emoções. A cerimônia do Grammy será no dia 19 de novembro, em formato remoto, de Miami.

O encontro de Mariene de Castro e Almério, que deu origem ao álbum “Acaso Casa”, aconteceu num sarau realizado na casa de José Maurício Machline, onde vários amigos deram canja. Quando eles se conheceram, a sintonia entre os dois foi imediata. Eles se afinaram de forma inusitada e a união do canto contagiou quem os assistia. “Essa indicação ao Grammy é o resultado desse lindo encontro. Quando eu vi Almério cantar pela primeira vez fiquei tão chocada, tão emocionada! Pensei logo: encontrei a minha outra metade artística. Comecei a chorar…”, lembra Mariene de Castro. 

O encontro foi tão forte que ali mesmo decidiram montar um show, com as bênçãos de Machline, que assina a direção do espetáculo e que ganhou registro em CD, via Biscoito Fino em 2019. Entre solos e duetos, das 26 músicas gravadas, eles se revezam no repertório, mostrando um pouco da atmosfera daquele primeiro encontro. O álbum traz canções como: ‘Na Primeira Manhã’ (Alceu Valença, Lamento Sertanejo’ (Dominguinhos / Gilberto Gil), ‘Espumas ao Vento’ (Accioly Neto), Canto de Ossanha (Baden Powell / Vinicius de Moraes) e `Respeita Januário` (Luiz Gonzaga / Humberto Teixeira). Em tom intimista, os cantores são acompanhados por dois violões e um acordeom, em canções emocionadas.

Concorrem também ao Grammy Latito 2020 na categoria de Melhor Álbum de Música de Raízes em Língua Portuguesa “Veia nordestina” de Mariana Aydar; “Aqui está-se sossegado” de Camané & Mário Laginha; “Targino sem limites” de Targino Gondim;  “Obatalá: uma homenagem a Mãe Carmen” com Grupo Ofa e “Autêntica” de Margareth Menezes.

Mariene de Castro

Nascida em Salvador e radicada no Rio de Janeiro, Mariene de Castro despontou no cenário musical brasileiro identificada como uma força da natureza. Roque Ferreira – seu conterrâneo e um dos compositores preferidos da cantora – intuiu certa vez que Mariene nunca subia ao palco sozinha: alguma força superior entrava com ela em cena e impregnava sua música. Calcada em tradições afro-brasileiras e do candomblé, trazendo na instrumentação referências de várias nações africanas, influências indígenas, do samba de roda, chulas, coco, maracatu, ijexá e jongo, o trabalho de Mariene reverencia a cultura popular, assim como resgata a memória musical que ela traz de suas raízes ancestrais.

Almério

Considerado um dos nomes mais promissores da nova cena musical nordestina/brasileira, a música do pernambucano Almério nasce com tonalidades modernas, inspiradas na, digamos, MPB heroica dos anos 1960 e 1970. Lançou seu segundo CD, “DESEMPENA”, pelo selo Natura Musical, integrou o elenco do musical Gabriela, do Diretor João Falcão, em São Paulo – fez show no Palco Sunset do Rock In Rio 2018 e dá seus primeiros passos na carreira internacional. Foi indicado em duas categorias no Prêmio da Música Brasileira 2018: Melhor cantor (Junto com Lulu Santos e Chico César) e Cantor revelação Petrobras, sendo ganhador desta segunda.