O clube mais inclusivo do Brasil: deficientes visuais viram modelos em lançamento de camisa do Fortaleza.

O Fortaleza conta com tradutor de libras em entrevistas. Apoia futebol em cadeira de rodas. Amplia a sua atuação em esportes amadores. Possui produtos para torcedores de baixa renda. Portanto, não é nenhum exagero dizer que o clube caminha para ser o mais inclusivo do país. E mais um grande passo acaba de ser dado com o lançamento da Glória 1970. A camisa celebra o jubileu de ouro do título do Norte-Nordeste.

A ideia do lançamento, concebida e produzida pelo departamento de marketing do clube, tem a sensibilidade e a criatividade que marcam a gestão do presidente Marcelo Paz. Como os registros históricos da conquista de 1970 são escassos, o Fortaleza convidou torcedores que são especialistas em imaginar, em criar cenários, em enxergar de um jeito diferente: deficientes visuais que torcem para o Leão.

A campanha é uma lição de como transformar uma dificuldade em oportunidade. A ausência de informação serviu para o Fortaleza fazer um exercício de empatia: também hoje, há muitos tricolores que amam o clube e tampouco podem enxergar seu time em campo. Por isso, eles foram escolhidos para estrelar o lançamento da camisa.

O clube vai destinar ainda parte da renda obtida com a venda dos uniformes para o Institutos dos Cegos. É o Fortaleza aprendendo com os seus novos garotos-propaganda: enxerga-se melhor com o coração.