Festival de Circo encerra 7ª edição com exibição de espetáculo circenses no Dia Nacional do Circo

Cinco atrações cearenses estão na programação. Entre elas, a Companhia Laguz e Sâmia Bittencourt da Cia CLE. A transmissão será pelo canal do festival no Youtube

O Dia Nacional do Circo, comemorado em 27 de março, marca o encerramento do 7º Festival Internacional de Circo do Ceará, uma edição que ficará na história do festival. Com início em novembro de 2020, o festival foi realizado em meio a uma pandemia, com adaptação de espetáculos para o formato virtual e implantação de protocolos e normas de biossegurança para realização das atividades presenciais. Agora, mais uma vez seguindo as determinações do decreto estadual para evitar a disseminação de Covid-19, o festival celebra a data com uma varieté online composta por cinco apresentações de artistas cearenses no canal do festival no Youtube.

Com início às 16 horas, o público vai conferir os espetáculos: “A mulher mais forte do mundo”, da Sâmia Bittencourt da Cia CLE, que dá vida à palhaça Pirrita e recria o show dos chamados super-humanos, super-homens, ou melhor, da super-mulher; “Pedra no Sapato”, da Companhia Laguz com a história do artista Suspiro e a faxineira do teatro, Burbuja. Um conflito entre os palhaços, que começa quando o Suspiro entra em cena para apresentar o show e é interrompido pela palhaça Burbuja, que se preocupa em fazer o seu trabalho no teatro. Entre brincadeiras e sequência de truques clássicos de palhaços, eles levam o público a mergulhar na arte dessas figuras circenses.

No canal do festival serão apresentados também o espetáculo “Mensageiro de muito longe que chega primeiro”, um duo de faixas das artistas Gabriela Jardim e Lívia Soares; a “A Escala”, do grupo Xilito Palhaçada, com divertidos números cômicos e impactantes sob uma escada; e o espetáculo “O Pianista”, do Palhaço Kakaká interpretado por Darlan Filho. No enredo, entre escolhas de repertório e tentativas de tocar o piano, o palhaço pianista apresenta vários truques que prometem arrancar muitas gargalhadas.

AVALIAÇÃO

Contando com essas apresentações, o evento cumpre com a sua meta traçada na campanha “Ninguém fica de Fora” contemplando todos os cearenses inscritos. Foram 52 trabalhos selecionados que foram apresentados ao público de forma online e presencial.

Ao todo, o festival que teve início em novembro de 2020 contou com 75 grupos selecionados. Destes, 69 tiveram suas apresentações realizadas durante as programações presenciais e online. O evento contou também com 22 participantes no Programa Luz no Picadeiro, projeto de formação realizado em janeiro deste ano, que proporcionou encontros riquíssimos por meio de seminário, encontros, lives e videoaulas com participantes de referência na pesquisa, gestão, produção e gerenciamento de espaços circenses.

As atrações nacionais e internacionais inscritas nesta edição, que não puderam se apresentar por conta da pandemia, foram automaticamente selecionadas para a oitava edição do Festival de Circo. Das atrações nacionais estão Cia Suno (São Paulo), Cia TrupeÇando (Paraíba), Jonathan Marinho (Pernambuco) e Tiago Marques, o Palhaço Ritalino (Paraná). E das internacionais, Fanfarria Ambulante (ARG), Sebastian Godoy (ARG), Circo Eguape (ARG) e La Fem Fatal (ESP).

Além das apresentações artísticas, o festival promoveu atividades em prol do meio ambiente. Em uma ação que envolveu produção, técnicos e artistas, o evento realizou o plantio de três mudas de plantas nativas da região praiana do litoral oeste. Foram elas, a Jurema Preta, planta sagrada dos povos afro-brasileiros; a Caraúba, espécie símbolo de Paracuru; e a Trapiá, espécie nativa de beleza ornamental.

Satisfeita com o resultado do festival, a diretora Giza Diógenes conta que o entendimento dos artistas e do público sobre o momento que estamos vivendo, de pandemia, foi muito importante para o sucesso do evento. “Apesar de todas as dificuldades, incertezas e receios, nós conseguimos! Foi uma edição longa e concluímos ela com muito orgulho de ter conseguido nos adaptar e proporcionar trabalho e renda para parte da cadeia produtiva do Circo no Ceará”, completa.

O 7° Festival Internacional de Circo do Ceará é financiado via Lei de Incentivo à Cultura, apresentado pelo Atacadão com patrocínio da Dass, apoio da Aniger e agradecimento à Enel. Tem o apoio da Lei Federal n° 14.017, de 29 de junho de 2020 – Lei Aldir Blanc, através do Fundo Estadual da Cultura, com patrocínio da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult). Apoio institucional do Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria da Cultura, do Porto Dragão e Instituto Dragão do Mar. É uma realização da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal. A produção é da Iluminura Produtora Cultural.

PROGRAMAÇÃO

Dia: 27 de março de 2021

Horário: 16h

Local: Canal do festival no Youtube

“A mulher mais forte do mundo” com Sâmia Bittencourt da Cia CLE (Fortaleza)

“Pedra no Sapato” da Companhia Laguz (Fortaleza)

“A Escala” do Grupo Xilito Palhaçada (Fortaleza)

“O Pianista” com Darlan Filho, o Palhaço Kakaká (Fortaleza)

“Mensageiro de muito longe que chega primeiro” com Gabriela Jardim e Lívia Soares (Fortaleza)

SERVIÇO

7º Festival Internacional de Circo do Ceará – Varieté online: Dia 27 de março, Dia Nacional do Circo, às 16h, pelo canal do festival de Circo no YouTube (https://www.youtube.com/c/FestivalInternacionaldeCircodoCear%C3%A1/videos). Informações no site (https://www.festivaldecircoceara.com/) e redes sociais do evento. Instagram @festivalcircoceara e Facebook @festivaldecircodoceara. Contatos: (85)3459-0096 e festivaldecircoceara@gmail.com.

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA

DÉGAGÉ

Jornalistas Resp. Sônia Lage e Eugênia Nogueira

Atendimento à Imprensa: Sônia Lage e Luana Rodrigues

85-3252.5401 / 99989.5876 / 98902.6992

degage@degage.com.br / www.degage.com.br

Instagram e facebook: @degagecomunicacao