Com edição assinada pela brasileira Claudia Castello, filmes “Sergio” e “Abe” chegam ao streaming amanhã, dia 17

A carioca se destaca em Hollywood com trabalhos em grandes produções, como “Pantera Negra” e “Creed: Nascido para Lutar” 

O que os filmes “Sergio” e “Abe” têm em comum? Além de estrearem no mesmo dia, 17 de abril, no streaming, os dois têm edição assinadas pela cineasta brasileira Claudia Castello. Com longa experiência, a carioca se destaca como uma das mais importantes montadoras do cinema de Hollywood e carrega na bagagem produções como “Pantera Negra”, um dos maiores blockbusters da Marvel, e “Creed: Nascido Para Lutar”.

A partir de amanhã, depois da dobradinha de sucesso no Festival de Sundance, os dois trabalhos de Claudia poderão ser vistos no streaming. Estrelado por Wagner Moura, Ana de Armas e Brían F. O’Byrne, o drama “Sergio” invade a Netflix, com a história do embaixador Sergio Vieira de Mello. O diplomata brasileiro das Nações Unidas dedicou a maior parte de sua carreira às regiões mais instáveis do mundo. Baseado no livro “O Homem que Queria Salvar o Mundo”, de Samantha Power, o longa mostra sua última missão em Bagdá, em 2003, quando foi vítima do bombardeiro à sede da ONU.

Já a comédia dramática “Abe” tem direção de Fernando Grostein Andrade e o elenco mescla nomes nacionais e internacionais: Noah Schnapp (da bombada série “Stranger Things”), Seu Jorge, Mark Margolis, Dagmara Dominczyk, Gero Camilo, Victor Mendes, Ildia Silva, entre outros. No filme, Abe é um menino de 12 anos, que mora no Brooklyn, Nova Iorque. Com a mãe judia de origem israelense e o pai palestino de origem muçulmana, o jovem é apaixonado por gastronomia e se dedica como aprendiz de um chefe de cozinha brasileiro. Para ele, a culinária tem o poder de unir e encantar as pessoas, principalmente, sua família.

Com passagens pela TV no Brasil, Claudia Castello editou seis episódios da série ‘Não Conta Lá em Casa’, do canal Multishow, programa que acompanha três aventureiros rodando o mundo com o intuito de mostrar a cultura e beleza de países tidos como perigosos. Ela também assina a montagem de ‘Expedições’, série documental da TV Brasil que aborda a diversidade social, cultural e natural no território nacional.

No cinema internacional, outros destaques da carreira: “Roxanne Roxanne”, parte da Seleção Oficial do Festival de Sundance, em 2017; “The Last Full Measure”, com Christopher Plummer e Samuel L. Jackson; e “Adopt a Highway”, estrelado por Ethan Hawke.

Assista aos trailers oficiais de “Sergio” e “Abe”:

“Sergio”https://www.youtube.com/watch?v=91b5TEbVTcQ

“Abe” https://www.youtube.com/watch?v=6dDGFMuV6UQ

SOBRE CLAUDIA CASTELLO

Claudia Castello nasceu no Brasil e iniciou sua carreira nos documentários. Sua paixão por narrativas audiovisuais a levou aos Estados Unidos, onde ela concluiu um mestrado em Film Production na Universidade do Sul da Califórnia (USC), em 2011. Além de ponto de partida para a rápida ascensão na indústria, foi também na universidade que Castello conheceu o diretor Ryan Coogler, diretor de “Pantera Negra”. A amizade com o cineasta resultou em uma parceria de sucesso que já inclui três longas-metragens, sendo a produção dos Studios Marvel a mais recente.

O primeiro trabalho dos dois juntos — depois do curta-metragem “Fig”, realizado ainda na USC — foi “Fruitvale Station: A Última Parada”, estrelado por Michael B. Jordan e vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Sundance, em 2013. Em seguida, veio o sucesso de bilheteria “Creed: Nascido para Lutar”, estrelado novamente por Michael B. Jordan, mas, desta vez, ao lado de Sylvester Stallone na pele do lendário Rocky Balboa.

Em 2017, veio o convite para integrar o blockbuster bilionário do badalado Universo Cinematográfico Marvel. Aclamado pela crítica e público, o longa de Coogler rapidamente se tornou um fenômeno cultural e político, fazendo história ao ocupar a quarta posição da lista de maiores bilheterias norte-americanas de todos os tempos, com mais de $700 milhões arrecadados. Castello integrou a equipe de três montadores envolvidos na pós-produção.